CORPO ASTRAL

Enviado por A. Cavalcanti Nenhum Comentário 09/07/2009


CORPO ASTRAL.

O corpo astral é um dos corpos sutis que o espírito imortal usa para se manifestar no mundo físico, quando reencarna. É o veículo ou matriz original pré-existente e portadora do molde de todos os órgãos, que posteriormente devem ser materializados no campo de leis e forças do mundo físico.

Assim como uma peça fundida em bronze, reproduz a falha existente no molde de madeira por falha do seu escultor o corpo carnal do homem, também haverá de apresentar falhas, disfunções, deformidades, intoxicações, lesões e demais alterações congênitas, como resultados negativos e específicos do seu corpo astral.

Essas alterações contidas na matriz astralina, são provenientes de insanidades, turbulências, atos de rebeldias espirituais ocorridas em vidas anteriores. Isto então, se constitui em defeitos, marcas e lesões deploráveis, no tecido delicado do Corpo Astral, e que na gestação altera também a contextura anátomo-fisiológica do corpo físico.

Assim, inúmeras criaturas já nascem marcadas por frustrações, complexos, defeitos anatômicos e insuficiências mentais e fisiológicas, que lhes dificultam a atividade humana na condição de estigmas “pré-reencarnatórios”, são defeitos e cicatrizes contidas no Corpo Astral, que desafiam toda a capacidade destreza e conhecimento médico do mundo, uma vez que ninguém pode modificar a árvore, ante a ingênua decisão de operar apenas na sua sombra.

Os corpos, astral e mental inferior são perenes enquanto o ser não se libertar do ciclo carnal. Esses corpos serão abandonados, em definitivo, quando já não se fizer necessária a vivência do ser no plano astral, por já ter adquirido outro patamar evolutivo. A esse acontecimento chamamos de “segunda morte”, quando o ser passa a situar-se no plano mental, com o veículo respectivo.

Nesse estágio e nos futuros, há de conservar o registro de memória de todas as suas vivências multimilenares. Sendo de seu direito ter acesso a sua história sideral, as lembranças de todas as suas vidas, como alguém que consulta filmes colecionados desde seu nascimento.

Esse processo representa um mero registro de memória; não de conteúdo energéticos desequilibrados do passado, que estejam contidos no veículo mental superior.

Leave a Reply