JESUS O ANJO, CRISTO O ARCANJO.

Enviado por A. Cavalcanti Nenhum Comentário 23/09/2010

JESUS O ANJO, CRISTO O ARCANJO.

Jesus, tendo vindo ás cercanias de Cesareia de Filipe, interrogou assim seus discípulos: Que dizem os homens, com relação ao Filho do Homem? Que dizem que eu sou? – Eles lhe responderam: Dizem uns que és João Batista; outros que és Elias; outros que és Jeremias, ou algum dos profetas.

Perguntou Jesus: E vós, quem dizeis que eu sou? – Simão Pedro, tomando a palavra, respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo. Replicou-lhe Jesus: Bem-aventurado és Simão, filho de Jonas, porque não foram a carne nem o sangue que isso te revelaram, mas meu Pai que está nos céus. (S.MATEUS, cap. XVI, v. 13 a 17; S.MARCOS, cap. VIII, v. 27 a 30.)

Embora tenha passado mais de 2000 anos das andanças de Jesus sobre o solo terreno, desde o dia em que iniciou suas pregações até os o período hodierno, os terráqueos, em sua maioria ainda não compreendem qual a verdadeira função e personalidade do Espírito de Jesus, quando aqui esteve entre os homens pregando a Lei do Amor, a qual foi exemplo em todos os instantes em que viveu integralmente de acordo com suas pregações.

A pergunta que Ele fez a seus discípulos á respeito de que achavam quem era ele, se a fizermos dentre os espíritas, cristãos que deveriam ser mais instruídos sobre o grande Mensageiro do Alto, constataremos que em sua maioria não sabem definir precisamente a função mediúnica que veio executar.

Quando seus discípulos disseram que alguns achavam que Ele era João Batista, outros pensavam que era Elias, outros Geremias ou algum dos profetas, após mais de dois milênios, a confusão permanece, ainda ouvimos alguns aprenderem em suas doutrinas que Ele foi á vinda de Deus entre os homens, enquanto outros pregam que ele foi o próprio Cristo que reencarnou para a salvação dos humanos na Terra.

Embora Jesus não tenha desmentido á Simão Pedro, quando respondeu a pergunta de Jesus sobre sua personalidade, que ele era o Cristo, (S.MATEUS, cap. XVI, v. 13 a 17; S.MARCOS, cap. VIII, v. 27 a 30 noutra ocasião em que ocorreu significativo diálogo entre Jesus e os seus apóstolos, quando Jesus pergunta a Pedro: “E vós que dizeis que eu sou” e Pedro responde-lhe: “Tu és o Cristo, o filho de Deus vivo”. Depois de certa reflexão, Jesus então mandou aos seus apóstolos que a ninguém dissessem que ele era Jesus o Cristo. (Lucas, IX – 20 e 21; Mateus, XVI, 15, 16 E 20).

Neste relato, Jesus admitiu o fato de representar outro ser, além de si, o Cristo. Mais tarde falando a seus apóstolos, Jesus esclarece a sua condição de medianeiro do Cristo, quando sem qualquer dúvida se expressa do seguinte modo: Mas não queirais ser chamados de mestres, porque um só é o vosso mestre, e vós sóis todos irmãos. Nem vos intituleis guia; porque um só é o vosso guia – o “Cristo”.

Embora tenha passado mais de 2000 anos das andanças de Jesus sobre o solo terreno, desde o dia em que iniciou suas pregações até o período hodierno, os terráqueos, em sua maioria ainda não compreendem qual a verdadeira função e personalidade do Espírito de Jesus, quando aqui esteve entre os homens pregando a Lei do Amor, a qual foi exemplo em todos os instantes em que viveu integralmente de acordo com suas pregações.

A pergunta que Ele fez a seus discípulos á respeito de que achavam quem era ele, se a fizermos dentre os espíritas, cristãos que deveriam ser mais instruídos sobre o grande Mensageiro do Alto, constataremos que em sua maioria não sabem definir precisamente a função mediúnica que veio executar.

Quando seus discípulos disseram que alguns achavam que Ele era João Batista, outros pensavam que era Elias, outros Geremias ou algum dos profetas, após mais de dois milênios, a confusão permanece, ainda ouvimos alguns aprenderem em suas doutrinas que Ele foi á vinda de Deus entre os homens, enquanto outros pregam que ele foi o próprio Cristo que reencarnou para a salvação dos humanos na Terra.

Embora Jesus não tenha desmentido á Simão Pedro, quando respondeu a pergunta de Jesus sobre sua personalidade, quando disse que ele era o Cristo, (S.MATEUS, cap. XVI, v. 13 a 17; S.MARCOS, cap. VIII, v. 27 a 30) noutra ocasião em que ocorreu significativo diálogo entre Jesus e os seus apóstolos, quando Jesus pergunta a Pedro: “E vós que dizeis que eu sou” e Pedro responde-lhe: “Tu és o Cristo, o filho de Deus vivo”. Depois de certa reflexão, Jesus então mandou aos seus apóstolos que a ninguém dissessem que ele era Jesus o Cristo. (Lucas, IX – 20 e 21; Mateus, XVI, 15, 16 E 20).

Neste relato, Jesus admitiu o fato de representar outro ser, além de si, o Cristo. Mais tarde falando a seus apóstolos, Jesus esclarece a sua condição de medianeiro do Cristo, quando sem qualquer dúvida se expressa do seguinte modo: Mas não queiram ser chamados de mestres, porque um só é o vosso mestre, e vós sóis todos irmãos. Nem vos intituleis guia; porque um só é o vosso guia – o “Cristo”.

Jesus é uma entidade pertencente á categoria de anjo. O Cristo é uma entidade que pertence á categoria dos arcanjos. Portanto, são entidades distintas com poderes e missões diferenciadas, embora operando em perfeita concordância para a evolução do Planeta Terra.

Jesus, espírito sublime pertencente à categoria de anjo, foi na face da Terra, o médium mais perfeito do Arcanjo, o Cristo Planetário. Jesus teve a sublime tarefa espiritual de através de sua avançada mediunidade receber as instruções do Cristo com a finalidade de deixar a derradeira mensagem, o código moral mais avançado e capaz de liberta em definitivo o espírito do homem da vida material para viver a vida espiritual.

Um anjo, como é a categoria espiritual de Jesus, é uma entidade ainda capaz de vincular-se a um organismo carnal, para atuar na forma física, embora com enorme sacrifício e demandando grandes esforços dos Técnicos Siderais. Um arcanjo não pode mais vestir a roupagem carnal, porque a sua freqüência espiritual ultrapassa o campo de qualquer atividade num corpo físico.

Para que Jesus pudesse vir à vida material, houve necessidade da reconstrução das matrizes perispirituais usadas noutros mundos materiais já extintos, a fim de reencarnar-se na Terra. Embora se tratasse de um anjo do Senhor, a Lei Sideral obrigou-o a percorrer o longo caminho entre o seu mundo sublime e a face sombria do orbe terráqueo, para entregar pessoalmente a sua mensagem de Amor!

Jesus ajustou o seu corpo mental. Reativou o mecanismo complexo do cérebro perispiritual. Revitalizou o corpo astralino, já inativo pela ausência das paixões humanas a fim de vibrar novamente ao nível das atividades físicas! Nessa descida vibratória, transcorreu um milênio até corporificar-se na Terra.

Caso o fosse o Cristo que fosse reencarnar, as dificuldades seriam bem maiores. Seriam precisos alguns milênios, afim de que um arcanjo pudesse modelar novamente o conjunto perispiritual suficiente para sua atuação na vida física.

Sem dúvida o imenso desgaste que seria despendido para o êxito de tal realização, não compensaria a eleição de um arcanjo para cumprir uma tarefa libertadora dos humanos. Isso representa o princípio de economia cósmica, pois a Técnica Sideral jamais cria dispêndios e onera o campo energético de modo insensato ou improdutivo.

Jamais existem duas medidas no plano da Criação e da manifestação do Espírito em sua peregrinação, para adquirir sua consciência individual. A centelha espiritual surge simples e ignorante, e aprimora-se a medida que vai situando-se nas diversas experiências nos orbes físicos transformando-se através das espécies.

Etimologicamente a palavra Christós significa Ungindo ou consagrado, o que se dizia de Jesus, por ter sido eleito para a missão de ensinar à humanidade terrena o caminho da verdade para vida real e eterna! Assim Jesus ficou conhecido como Jesus Cristo e até hoje a humanidade o confundem pensando que Jesus e o Cristo sejam uma só entidade.

Obviamente a ação Crística sempre esteve presente, evidentemente despercebida pelos homens, devido á insensatez reinante e a falta de sensibilidade psíquica, nas mentes encarnadas. Não haverá mais um medianeiro do Cristo, como no ocorreu no passado, pela atuação de Jesus. A próxima vinda do Cristo ocorrerá exclusivamente através da intimidade oculta do coração de cada homem! Assim que tiver assimilado os ensinamentos de Jesus, e vibrar no estado de amor puro, estará recebendo o Cristo em si, transformando-se num médium potencialmente aprimorado para sentir a presença das vibrações Crísticas.

Leave a Reply